Lombok

Dia 277 

Mais um dia de viagem pela frente. Neste dia seguimos viagem para Lombok, mais propriamente para Kuta, que fica no sul da ilha. Para sair de Gili Air, decidimos apanhar o barco público, ou seja, o barco só parte quando tem 40 pessoas. O preço desta pequena travessia é de 12 000 IDR e tem a duração de 15 minutos. Por outro lado, se quiséssemos ir no “speed boat” tínhamos de pagar bem mais, cerca de 85 000 IDR. Nós só tivemos de esperar cerca de 40 minutos. Quando chegámos a Bangsal em Lombok, saímos logo da zona do porto e com a aplicação Grab, chamámos logo um “táxi” para nos levar para o nosso destino. Como nunca mais chegava e tínhamos uma pessoa que nos fazia o trajeto que queríamos por 200 000 IDR, decidimos cancelar e ir com ela. Só conseguimos este preço porque ele tinha de voltar para Kuta, onde morava. Temos a dizer que as estradas que apanhámos na viagem eram muito boas, pois o piso estava em muito bom estado. Depois de fazermos o check-in no hotel, fomos procurar um restaurante para almoçar. Decidimos ir ao restaurante Nana’s, um espaço bem local, que ficava mais perto do centro. O almoço estava muito bom, especialmente o peixe frito. Depois de almoçarmos, voltámos para o hotel para aproveitarmos a piscina, pois já era tarde para irmos para a praia. Como a Carina e o Du estavam com desejos de hambúrguer ? para jantar fomos ao restaurante Burger Zone.

Dia 278

Acordámos com o tempo encoberto e pouco depois começou a chover. Depois do pequeno almoço, o João e o Du, foram até ao centro encher o depósito da mota, levantar dinheiro e o João aproveitou para cortar o cabelo, coisa que já não fazia a alguns meses ??. As previsões do Google não falharam em relação à meteorologia e a partir das 12h30 já não choveu mais e as nuvens começaram a desaparecer. Decidimos então ir almoçar outra vez ao restaurante Nana’s. A seguir ao almoço optámos por ir para a zona este de Kuta, mais propriamente até à praia Tan Jaun Aan. Quando chegámos e depois de pagarmos o estacionamento (10 000 IDR), nós os dois decidimos ir até ao cimo do monte para ver a vista enquanto que o Du e a Corinne optaram por ficar na praia. A vista lá de cima é sem dúvida muito bonita, pois conseguimos ver a baía da praia Tan Jaun Aan e também a baía da parte oeste, onde está a praia Seger. Depois foi tempo de descer e ir para a praia ter com o Du e a Corinne. Apesar do vento, decidimos mesmo assim ir dar um mergulho, pois estava mais quente dentro de água do que fora ??. Voltámos para o hotel ainda a tempo de irmos dar um mergulho na piscina. Mais tarde para jantar fomos até ao restaurante Bucu, com pessoas muito simpáticas a trabalhar lá. A comida também estava boa e os pratos eram bem servidos, o que nos deixou muito satisfeitos. Para sobremesa o João comeu um gelado ?.

Dia 279

Como no dia anterior tínhamos ido para a zona este de Kuta, neste dia decidimos ir para a zona oeste. O nosso plano era começar por visitar a praia mais longe e depois uma das mais próximas, isto caso desse tempo. No caminho para a praia Pentai Selong Belanak, tivemos um furo no pneu da nossa mota. Quer dizer não foi bem um furo, mas um dos remendos da câmara de ar que rebentou. Para nossa sorte a poucos metros onde isto aconteceu, existia uma espécie de oficina. Fomos logo lá e resolvemos o problema, mas para isso tivemos de pagar 100 000 IDR por uma câmara de ar, que foi praticamente o dobro de uma situação normal. Tendo em conta que não tínhamos grandes opções, tivemos de aceitar. Uns poucos quilómetros mais à frente e já estávamos na praia. Claro que para estacionar as motas, tivemos de pagar 10 000 IDR por cada uma. Nesta praia, o que não faltavam era pessoas a aprender a fazer surf. O Du e o João foram também alugar uma prancha (50 000 IDR para 2h) e tentaram meterem-se em pé ?? Depois de muitas tentativas falhadas lá finalmente conseguiram. Depois de tanto exercício, fomos todos almoçar a um restaurante mesmo na praia. Já com os níveis de energia repostos fomos até outra praia, a Lancing. Mais uma vez tivemos de pagar 10 000 IDR de estacionamento por cada mota. Infelizmente, como estava maré vazia, não dava para ir a grandes banhos, mas mesmo assim e como havia sombra decidimos ficar um bocado a relaxar. Mais tarde e para não variar, fomos até à piscina do hotel. Já na hora de ir jantar, como tínhamos gostado do restaurante Bucu, optámos por lá voltar.

Dia 280

Este era o último dia que íamos estar juntos com o Du e a Corrine, porque no dia a seguir eles voltavam para Bali e nós seguíamos viagem até à ilha de Flores. Para aproveitarmos mais um dia de sol, fomos até à praia Mawun. O mar aqui já era mais agitado e com as ondas do estilo da praia de Santa Cruz, o que agradou bastante o João. Depois de uns mergulhos já era hora de almoçar. Como à tarde tínhamos de ir comprar o bilhete para a ilha de Flores e o Du e a Corinne queriam comprar umas prendas para a Anäis, decidimos voltar a Kuta e ir almoçar ao restaurante Nana’s. Depois de almoço fomos dar uma volta pelas “agências de viagem” e pelas lojas de Kuta. Como era altura do Ramadão, todos os sítios queriam vender o bilhete à volta de 550 000 IDR, o que normalmente custa 450 000 IDR. Decidimos então voltar para o hotel aproveitar a piscina e pensar no que fazer. Basicamente este bilhete combinado incluí, o transporte de Kuta até Mataram, autocarro de Mataram até Labuhan Lombok, travessia de ferry, autocarro até Bima, autocarro de Bima até Sape e finalmente o último ferry de Sape até Labuan Bajo, Flores. No total são praticamente 24h de viagem. Voltámos então a uma das agências com quem tínhamos falado e conseguimos o bilhete por 450 000 IDR para cada um.

Dia 281

Acordámos cedo, pois foi dia de nos despedirmos do Du e da Corinne. Infelizmente, estes dias com eles chegaram ao fim. Eles voltaram para Bali, para apanharem o voo, no dia seguinte para a Bélgica e nós decidimos seguir outro caminho. Por volta das 13h00 foram buscar-nos para iniciarmos a longa viagem até Labuan bajo, Flores. A primeira paragem foi na estação de autocarros em Mataram. Já alguém estava á nossa espera e meteu-nos no primeiro autocarro em direção a Bima, Sumbawa. O autocarro era bastante confortável, com casa de banho e sem percebermos o porquê, nós éramos os únicos turistas. Para chegar a Bima, fomos até ao porto Labuhan Lombok, onde apanhámos o ferry juntamente com o autocarro, que demorou cerca de 2 horas a atravessar até o porto Poto tano, Sumbawa. Já eram cerca de 19h00 quando entrámos outra vez no autocarro e seguimos viagem. Passados 10 minutos de termos começado a viagem o condutor decide voltar para o porto e ficou a conversar durante cerca de 40 minutos com os policias, ficámos sem perceber o que se passou. Ele lá se decidiu e continuámos caminho até pararmos novamente por volta das 22 horas para jantar, algo bem simples, mas que estava incluído no bilhete que tínhamos comprado no dia anterior. A próxima paragem foi já por volta das 3h30 da manhã na estação de autocarros de Bima. Quando lá chegámos, já havia outro autocarro à nossa espera, sentámo-nos e esperamos cerca de 2 horas até seguirmos viagem, também não percebemos o porquê desta demora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *