Voluntariado em Moçambique

Dia 302

Chegámos a Moçambique já tarde, pois o voo de Joanesburgo até Maputo atrasou-se 1h. Depois de chegarmos ao aeroporto de Maputo, fomos logo fazer o visto. Infelizmente só nos deram o visto de turista, ou seja, só é válido por 30 dias e depois temos que ir a uma das fronteiras terrestres para renovar. Decidimos comprar um cartão SIM (da Vodacom), o qual nos custou 200 Meticais (MTS) e carregámos com 1000 MTS para a internet e 50 MTS para chamadas. De seguida fomos apanhar um táxi para nos levar até ao centro da cidade. Pelo qual tivemos de pagar 800 MTS. Quando chegámos ao alojamento, fomos logo dormir, estávamos muito cansados.

Dia 303 

Decidimos não acordar muito cedo, pois estávamos muito cansados de todas as viagens que tínhamos andado a fazer. Por volta das 08h45, fomos tomar o pequeno-almoço a uma pastelaria que ficava do outro lado da estrada, a “Pandora”. De barriga cheia, fomos arranjar uma “chopela” (tuk-tuk), que nos custou 300 MTS, para nos levar até à Junta. Este sítio é o terminal rodoviário de Maputo e é onde tínhamos de apanhar um “chapa” (miniautocarro). A Sandra, a empregada do alojamento onde tínhamos ficado, deu-nos uma ajuda. Depois de quase 1h à espera de um “chopela”, decidimos ir ver de outro, pois não nos podíamos atrasar mais. Já na Junta, entrámos logo dentro de um “chapa” e seguimos em direção a Chokwé, o local onde vamos ficar durante o voluntariado. Quando chegámos, fomos logo para o nosso alojamento, conhecido por “Caritas” arrumar as nossas coisas. Depois de chegarmos, o mano Jaime veio ter connosco para nos conhecermos e falarmos um pouco. Mais tarde, como estávamos com alguma fome, fomos até um restaurante português que fica mesmo ao nosso lado, o “Claudio’s”. Tirámos o resto do dia para descansar, pois no dia a seguir já íamos começar o projeto de voluntariado, com a organização Um Pequeno Gesto (UPG) na escola de S. Vicente Paulo (SVP) em Chokwé.

Dia 304 

Como não sabíamos o caminho para a escola SVP, o mano Burailo (outro técnico), veio ter connosco e fomos juntos para a escola. Para lá chegar, precisámos de andar cerca de 30 minutos por ruas de terra, por entre as casas de palhota, lixo e vários animais (galinhas, bois, cabritos…). Esta é uma realidade bem diferente do que estamos acostumados, estes bairros são uma espécie de “favelas”.

Quando chegámos à escola já lá estava o mano Jaime. Aqui toda a gente se trata por mano/mana e quando falamos com os mais velhos, dizemos mamã/papá e também tio/tia. Como já devem ter percebido nesta escola os técnicos que trabalham com a UPG, são o Burailo e o Jaime. Fomos então ver as instalações da escola e perceber um pouco como tudo funciona. Esta escola tem cerca de 1200 alunos desde a 1ª classe até à 7ª classe. Mas a UPG apadrinha alunos desde a 1ª até à 12ª classe, ou seja, existem alunos que vêm da escola secundária para ter as aulas de apoio ao estudo e almoçar. Basicamente, neste dia não havia aula de apoio ao estudo porque era sexta-feira. Fomos então acompanhar os técnicos a fazer as visitas às casas de algumas crianças apadrinhadas. Depois de vermos um pouco onde as crianças moram, fomos até ao centro de Chokwé. O mano Burailo foi-nos mostrar onde podíamos ir comprar fruta e legumes.

Dia 305 

Depois de dormir até um pouco mais tarde, fomos tomar o pequeno almoço e lavar roupa, que bem precisávamos. Mais tarde, fomos ao centro de Chokwé para fazer umas compras no supermercado e mercado. Mais tarde o mano Orcídio veio visitar-nos para falarmos um pouco, pois íamos estar com ele na escola de Santa Luísa de Marilac (SLM). Para o jantar, fizemos qualquer coisa simples aqui no alojamento.

Dia 306

Mais um dia para pôr o sono em dia, porque depois de tantas viagens, ainda estávamos bastante cansados. Aproveitámos também para trabalhar um pouco no website e adiantar outras coisas. Mais tarde, o mano Ácio, um voluntário moçambicano, que está na escola SLM veio ter connosco para nos conhecermos e falarmos um pouco. Para jantar, acabámos por cozinhar uma coisa rápida na cozinha que os padeiros da “Caritas” utilizam para fazer pão e que nos deixam utilizar para cozinhar.

Dia 307

Esta semana vamos ficar na escola SVP e este pode-se dizer que foi o primeiro dia a “sério” na escola.

Neste dia fomos logo conhecer a irmã Encarnación, uma senhora muito simpática. Depois, decidimos que a Carina iria para a sala da pré-escola e o João para a sala de apoio ao estudo, juntamente com o mano Burailo. Por volta das 11h fomos ajudar na distribuição do almoço. Da parte da tarde, já depois de termos saído da escola, o mano Ácio foi comprar pão à “Caritas” aproveitou para nos vir visitar. Para jantar fomos até ao restaurante “Claudio’s”.

Dia 308

A Carina esteve a trabalhar com as professoras da pré-escola, a professora Florinda e a Amélia. Na pré-escola, ela ensinou as crianças a jogar “1,2,3, Macaquinho do chinês”. Também fez mais algumas atividades com as crianças, como brincar com plasticina e aprender a desenhar o sol e a lua. O João ensinou o Burailo como utilizar o programa informático Excel. Ele também deu apoio ao estudo às crianças da 4ª e 5ª classe.

Depois das aulas, fomos até ao centro para irmos comprar algumas coisas ao mercado. Para jantar, fizemos uma salada de sardinha, com belos tomates caseiros, acabados de sair da machamba (horta).

Dia 309

Neste dia, tivemos uma reunião com os técnicos Jaime e Burailo para discutir possíveis projetos e sugestões. A Carina fez um calendário em cartolina, juntamente com a professora Florina, onde as crianças da pré-escola vão colocar todos os dias, o estado do tempo. Ela também, tirou fotos às crianças da pré-escola, para uma campanha da UPG. O João acompanhou o mano Jaime nas suas tarefas. À tarde, ficámos pela “Caritas” e começámos a pensar em possíveis projetos, a serem implementados de forma a melhorar o funcionamento da sala de apoio ao estudo e da pré-escola.

Dia 310

Mais uma vez, a Carina ajudou as professoras na pré-escola. Realizou várias atividades, como o jogo das “ordens”, o jogo do “1,2,3 Macaquinho do chinês” e falar sobre o clima (sol, nuvens…). O João, juntamente com o mano Jaime e mano Burailo trabalharam na preparação da agenda para as II Jornadas de Desporto. Também foi com o mano Burailo dar apoio ao estudo na disciplina de matemática, aos alunos do secundário.

Dia 311 

Neste dia a Carina, juntamente com a professora Florinda, contou histórias e introduziu o calendário às crianças da pré-escola. Também começou a fazer a avaliação de cada criança da pré-escola com a professora Florinda (nível de aprendizagem, comportamento, …). Juntamente com os técnicos, o João fez uma revisão dos horários da sala de apoio ao estudo e organizou o material na sala da UPG. Durante a tarde, aproveitámos para fazer o nosso relatório diário que temos de enviar semanalmente para a sede da UPG, em Portugal.

Dia 312

Apesar de ser sábado, também “tivemos” de acordar cedo para ir com os miúdos da escola de SVP, até à escola de SLM. Íamos assistir às II Jornadas de Desporto entre a escola de SVP e a escola SLM. Como desta vez os jogos eram na escola de SLM, tivemos de apanhar um “chapa”. Os miúdos estavam muito contentes. Durante a viagem, eles foram o tempo todo a cantar com a música bem alta. Quando passávamos por crianças na estrada, elas começavam a dançar, foi muito engraçado. Quando chegámos à escola de SLM, fomos logo diretos a ação, porque o “chapa” atrasou-se bastante. Começámos pelo jogo tradicional Ntxuva, conhecido como o xadrez moçambicano, onde os alunos de SVP ganharam. Depois fomos ouvir umas belas poesias, desta vez não houve nenhum vencedor, pois todos estiverem muito bem. O terceiro e último confronto, foi um jogo de futebol 11, onde todos os miúdos estavam ao rubro, até mesmo a irmã Antónia que estava a torcer bastante por SLM. No final do encontro, as duas equipas estavam empatadas a 2 bolas, pelo que foi necessário desempatar através da marca da grande penalidade. Aqui os alunos da SLM levaram a melhor e venceram nos penáltis. No final, estavam todos muito cansados e já com alguma fome. Fomos então para o refeitório comer uma sandes e beber um sumo, que já tínhamos preparado. Enquanto esperávamos pelo “chapa”, ainda fomos dar uma volta para conhecer a escola. Já a caminho de Chokwé, a história foi a mesma, todos bem-dispostos a ouvir música e a cantar. Enquanto a Carina fazia uma pequena sesta, o João foi ver o jogo da Bélgica contra a Inglaterra. Mais tarde, fomos até ao restaurante “Claudio’s” para jantar.

Dia 313

Nesta noite, dormimos mesmo muito bem, porque estávamos bastante cansados de toda a semana. Tomar o pequeno almoço, ver um pouco de televisão e trabalhar para o website, foi assim a nossa manhã. Depois de almoço, a Catarina, uma outra voluntária, chegou à Caritas. Tivemos um pouco na conversa antes de começar o jogo da final do Mundial, entre a França e a Croácia. O mano Ácio e o mano Burailo vieram ter connosco para vermos o jogo juntos. Quando o jogo acabou, o Burailo estava todo contente, pois a França tinha ganho, mas o João nem por isso. Eles foram para casa e nós, juntamente com a Catarina, fomos jantar ao “Claudio’s”.

Dia 314

Mais uma semana à vista, na escola SVP. Desta vez, tínhamos a companhia da voluntária Catarina que é terapeuta da fala e mora em Maputo. A Carina e a Catarina estiveram com as professoras da pré-escola, onde ensinaram os dias da semana e fizeram mais algumas atividades. O João criou um calendário mensal para a planificação das tarefas do técnico Jaime. Também criou jogos didáticos (jogo de memória e quantos queres). Juntamente com os técnicos Jaime e Burailo, ele realizou o relatório das II Jornadas de Desporto. Aproveitámos a parte da tarde para fazer o relatório semanal, que temos que entregar à sede da UPG, em Portugal. Decidimos fazer o jantar e comer onde estamos alojados.

Dia 315

Ficámos todos contentes quando chegámos à escola e já tínhamos o material escolar, pelo qual tanto esperávamos.

A Carina e a Catarina ensinaram a canção “Atirei o pau ao gato” às crianças da pré-escola. Também fizeram uma brincadeira educativa com bola. A criança que tem a bola passa à criança que responder corretamente à pergunta da professora (ex. Qual é o animal que põe ovos). Também utilizaram os livros da UPG, “o meu estojo de barbear”, para falar sobre a higiene pessoal. O João ajudou na sala de apoio ao estudo, desta vez, com as crianças da 3ª classe. Mais tarde, também deu uma aula de Excel ao mano Jaime, sobre como utilizar certas ferramentas do Excel (exemplo: teclas de atalho, Ctrl + C, Ctrl + V, Shift + Ctrl + teclas de direção).


Dia 316

A Carina e a Catarina criaram jogos didáticos para a sala da pré-escola (imprimir/ fotocopiar várias imagens para enumerar e categorizar, como animais, fruta, roupa…). Também utilizaram os legos existentes na sala da pré-escola, para fazer grupos com as diferentes cores dos legos. O João deu uma aula de inglês aos alunos da 6ª e 7ª classe. Durante o intervalo da aula de apoio, o João ensinou as crianças a jogaram o “jogo do mata”.

Jantámos uma bela entremeada grelhada no restaurante moçambicano “Tsakane”. Na realidade este sitio é mais um local para se ir beber, mas eles também fazer carne grelhada.

Dia 317

A Carina e a Catarina explicaram às professoras da pré-escola as diferentes funcionalidades das imagens que nós imprimimos, pintámos e plastificámos. Também realizámos atividades com as crianças da pré-escola com as mesmas imagens. Falar e fazer perguntas sobre as imagens, dividir em sílabas, …

A Carina falou com a professora Lurdes, para que no curso técnico de costura façam sacos em tecido, para guardar os diferentes jogos didáticos que temos vindo a realizar.

O João construiu o “jogo do 24” (24 cartas). Este jogo é muito interessante, pois os alunos exercitam muito a matemática. Depois foi para a sala de apoio das classes do ensino secundário, mostrar aos alunos o jogo do 24 e jogar com eles. Também falou com o professor do curso técnico de eletricidade, o professor Gil, para perceber melhor como funciona o curso.

Fomos jantar ao restaurante “Claudio’s” para a despedida da Catarina. Para sobremesa comemos um delicioso pudim caseiro.


Dia 318

A Carina e a Catarina apresentaram às professoras da pré-escola os jogos didáticos em papel, que tínhamos feito durante a semana. Também se asseguraram que as professoras sabiam utilizar o dicionário ilustrado. Mais uma vez, cantámos a canção “Atirei o pau ao gato” com gestos e compreensão de cada palavra da canção.

Juntamente com o mano Jaime, o João visitou uma casa de um possível apadrinhamento e falou com os técnicos acerca das II Jornadas de Desporto para lhes dar o nosso feedback.

Há noite, decidimos jantar uma salada onde estamos alojados.

Dia 319

Neste dia decidimos sair um pouco e ir visitar Chokwé. Apesar de não ser uma cidade muito interessante, a seguir ao almoço, fomos com o mano Ácio até ao canal e andámos por entre as machambas. Como estava bastante calor e uma cerveja vem sempre a calhar, parámos na esplanada da “Caritas”. Para jantar, ficámos mais uma vez pelo alojamento.

Dia 320

Decidimos tirar o dia para descansar e lavar a roupa. Na hora de almoço, fomos com o mano Ácio almoçar a um restaurante moçambicano, no centro de Chokwé.

Dia 321

As próximas duas semanas serão passadas na escola SLM.

Fomos desde logo, muito bem recebidos na escola, tanto por parte dos técnicos, como da parte das irmãs (Antónia, Amina, Cardica e Felizarda) e os professores. Da parte da manhã, estivemos a conhecer as infraestruturas da escola e a perceber um pouco como tudo funciona. Os técnicos que trabalham nesta escola são o Orcídio e Cristóvão. A seguir ao almoço, a Carina ficou com o mano Ácio no centro de dia e o João foi para a sala de apoio ao estudo, juntamente com o mano Cristóvão.

A escola SLM fica a cerca de 20 km de Chokwé, em Manjangue, ou seja, precisamos de apanhar “chapa”. Levámos cerca de 1h  até chegar à escola e mais 1h  para regressar, pois temos que andar cerca de 15 minutos até ao centro de Chokwé, esperar que o “chapa” encha e só depois seguimos viagem. Na escola de SLM estão cerca de 900 crianças e a UPG providencia almoço a todas elas. Também existe um centro de dia para crianças com HIV / Sida, com cuidados redobrados e que necessitam de uma alimentação equilibrada.

Quando voltámos a casa, já tarde, jantámos no nosso alojamento.

Dia 322

A Carina e o Ácio criaram o jogo didático da memória em cartolina. A Carina deu apoio às crianças do centro de dia e introduziu o jogo da “forca”, com o objetivo de desenvolver a língua portuguesa e adquirir vocabulário.

O João deu uma aula de Excel ao mano Orcídio e deu apoio aos técnicos durante a alimentação escolar.

Neste dia jantámos com o mano Hilário, o coordenador da UPG aqui em Moçambique, no restaurante português “Limpopo”.

Dia 323

A Carina acabou de fazer o jogo da memória e ensinou o mesmo às crianças do centro de dia.  Também deu apoio ao estudo às crianças do centro de dia. Ela deu a ideia para que as crianças participassem na decoração da sala. Juntamente com o pintor Nélio, as crianças deixarem a marca das suas mãos na parede, dentro de um sol e uma árvore.

O João criou mais uma vez, o “jogo do 24” e ajudou o mano Orcídio nas suas tarefas.

No final do dia para jantar, decidimos fazer alguma coisa para comer na cozinha da “Caritas”.

Dia 324

A Carina deu apoio ao estudo no centro de dia e para incentivar a leitura, cada grupo de crianças leu um livro e depois teve que contar a história aos outros.

Juntamente com o Orcídio, o João foi fazer uma visita à casa de uma criança apadrinhada, que ficava a cerca de 1 hora da escola. Neste bairro não existe eletricidade, nem água potável. Apenas há uma bomba para tirar água, que é salgada. Também foram saber como estava a correr o negócio de uma mamã, que a UPG ajudou a financiar (geração de rendimento).

Juntamente com o Hilário, o João foi falar com a irmã Amina sobre as questões da assiduidade escolar e da colocação de caixotes do lixo no recinto escolar e dentro das salas de aula.

Já à noite, fomos jantar no restaurante “Claudio’s”.

Dia 325

Neste dia, ajudámos a preparar as cestas básicas, entregues mensalmente às crianças (famílias) apadrinhadas. Tivemos de separar os bens essenciais, como arroz, feijão, farinha, em sacos de plástico e colocar tudo dentro de uma saca. A Carina deu apoio ao estudo às crianças do centro de dia (preparação para as provas finais do trimestre).

O João ajudou o Orcídio a ver a assiduidade dos alunos do centro de dia nos livros de ponto e a enviar por email à sede.

Em Moçambique, principalmente em Manjangue, as pessoas não utilizam muito a língua portuguesa, sendo por vezes (muitas vezes) difícil de comunicar com elas. Na província de Gaza, onde nós somos voluntários, eles falam o dialeto changana. Em Moçambique existem mais de 20 dialetos espalhados pelo país.


Dia 326

Apesar de ser sábado, fomos até à escola de SLM, ajudar a entregar as cestas básicas.

À noite, fomos jantar com o mano Ácio e o mano Nélio ao restaurante moçambicano “Tsakane”, onde se come uma bela carne grelhada. Depois fomos jogar snooker e matraquilhos, enquanto bebíamos uma cerveja bem fresquinha.

Dia 327

Depois de descansar um pouco mais, fomos tomar o pequeno almoço e relaxar. Para almoçar, voltámos ao restaurante moçambicano da semana passada para comer carne de vaca guisada. A parte da tarde foi passada a atualizar o nosso website.

Dia 328

Dia de voltar a apanhar o “chapa” em direção a Manjangue, para a escola SLM.

A Carina deu apoio ao estudo às crianças do centro de dia. Ela falou com a monitora Alzira sobre a rotina e organização do centro de dia. Também teve uma reunião com a Irmã Cardica sobre a realização de um calendário semanal e sobre alguns pormenores relativos à medicação no centro de dia.

O João fez mais um jogo de memória, desta vez com a tabuada do 9. Também ajudou o mano Cristóvão na sala de apoio e o mano Orcídio a resolver assuntos pendentes na sede. Aproveitámos para comprar uns bolinhos que as mamãs fazem lá na escola.

Quando voltámos da escola, fomos até ao mercado comprar mais alguns legumes e enlatados (atum e sardinha).

Dia 329

Neste dia, a Carina deu apoio ao estudo no centro de dia. Ela fez uma espécie de teatro com objetos em miniatura (azeite, sumo, legumes…) que encontrou numa caixa de cartão, no centro de dia. Uma criança vendia os produtos na banca e as outras eram os clientes, falando assim dos produtos e estimulando o uso da língua portuguesa.

Juntamente com o mano Orcídio, o João esteve a ver como dividir as salas de apoio por classes e conseguiram chegar a uma solução. Ele também ajudou o mano Cristóvão nas aulas de apoio, principalmente na disciplina de inglês.

Decidimos fazer uma salada de atum e jantar na “Caritas”.

Dia 330

A Carina deu apoio ao estudo às crianças do centro de dia. Também as ensinou a jogar o jogo do “mata”. Juntamente com o mano Ácio, a Carina colocou alguns filmes de desenhos animados no computador portátil e instalou o projetor para ver se tudo estava a funcionar bem, pois no dia seguinte será o dia de cinema no centro de dia. Deparámo-nos com o facto que o som do computador não é suficiente para que todas as crianças possam entender claramente o filme.

O João finalizou a organização da sala de apoio por classes. Juntamente com o Orcídio, o João falou com a irmã Amina sobre a assiduidade escolar, a colocação de caixotes do lixo dentro e fora da sala de aula e uma possível solução para evitar que o lixo saia da cova (sítio onde colocam o lixo para ser queimado). Neste dia fomos jantar ao restaurante “Tsakane”.

Dia 331

Dia de mais uma grande aventura. Desta vez tínhamos de ir renovar o nosso visto e para isso tivemos de ir até à fronteira de Moçambique com a África do Sul, na localidade de Ressano Garcia. Acordámos bem cedo, ainda nem era 06h30 e já estávamos a sair de “casa” para ir apanhar o primeiro “chapa” do dia. Não foi preciso andar muito para conseguir apanhar um. Perguntámos e o cobrador disse-nos que ia para Maputo, mas depois de uma hora de viagem percebemos que ele só ia até Macia e de lá tínhamos de apanhar outro até Maputo. Em Macia, tivemos cerca de 1h30 dentro de um “chapa” à espera que ficasse cheio, o que nos deixou bastante chateados, porque o cobrador tinha-nos dito que ia demorar pouco tempo para partir. Enquanto esperávamos, comprámos a bela da “castanha da Macia”, que para nós é caju. Simplesmente delicioso, o melhor que já alguma vez comemos. Às 09h00 estávamos nós a partir para Maputo, já não era sem tempo. Esta viagem não foi assim tão má, porque o motorista ia bem rápido e assim chegámos ao terminal rodoviário, a Junta em Maputo, por volta das 11h30. Depois de perguntarmos a algumas pessoas, qual era o “chapa” para Ressano Garcia, lá finalmente o encontrámos. Para nossa sorte já estava quase cheio e pronto para partir, por isso só esperámos cerca de 20 minutos. Já dentro do “chapa” e enquanto esperávamos para partir aproveitámos para comprar umas chamuças de peixe que estavam muito boas. A viagem até à fronteira até correu bem, apesar de já estarmos muito desconfortáveis sentados nos bancos do “chapa”. Chegámos ao controlo fronteiriço às 13h30 e tudo estava a correr bem, até que nos dizem que o sistema informático não estava a funcionar e que os técnicos já estavam a vir de África do Sul. Após 2h30 de espera lá conseguimos o visto. Com estes atrasos todos, já sabíamos que não íamos chegar a Maputo de dia, como tínhamos previsto. Como nem tudo são azares, um senhor turco, o Remzi que estava lá com a sua filha Güler e um amigo, o Emre, perguntou-nos se queríamos ir de volta a Maputo com ele. Nós agradecemos e aceitámos esta generosa oferta. Pelo caminho parámos 2 vezes para eles irem rezar à mesquita, pois são muçulmanos. Já em Maputo, foram-nos deixar ao terminal rodoviário, a Junta. Como já era quase 18h30, não sabíamos bem se tínhamos “chapa” de volta para Chokwé ou não. Perante esta incerteza o Remzi, disse-nos que podíamos dormir na sua casa. Nós ficámos muito espantados por tanta generosidade e agradecemos imenso e dissemos que caso não tivéssemos “chapa” que ficávamos com todo o gosto. Quando chegámos ao terminal rodoviário, ainda conseguimos transporte, talvez o último “chapa” do dia, mesmo a tempo. Despedimo-nos do Remzi, a Güler e o Emre, que foram 5 estrelas. Partimos de Maputo por volta das 19h00 e só chegámos a Chokwé já passava das 23h00. Estávamos muito, mas mesmo muito cansados. Foi só mesmo chegar, tomar um banho e dormir.

Dia 332

Apesar de bastante cansados do dia anterior, lá fomos nós para a escola SLM. Juntamente com o mano Cristóvão, o João organizou os cadernos dos alunos, que são utilizados nas aulas de apoio, de acordo com os novos horários, dividido por classes.

Falámos com a irmã Antónia acerca da colocação dos caixotes do lixo na escola e sobre o material que será necessário. Também começámos a pensar numa melhor forma de organizar as crianças na hora de almoço, para que elas possam todas comer dentro do refeitório e que haja menos desperdício de água.

Decidimos ir jantar ao restaurante “Claudio’s”.

Dia 333

Tirámos este dia para descansar e mais uma vez, fazer a nossa atividade preferida, lavar roupa 😛 Fomos almoçar ao restaurante “Tsakane”.

Dia 334

Neste dia decidimos ir de “chapa” até à barragem, que fica a cerca de 25 km de Chokwé, depois de Manjangue. Tivemos a felicidade de ver as cabeças dos hipopótamos dentro do rio. Para almoçar fomos ao restaurante Claudio’s, comer um franguinho assado com batatinha frita. À tarde, tivemos a visita do mano Orcídio e da Zizi ? Para jantar, ficámos pelo alojamento.

Dia 335

Esta semana vai ser passada na escola SVP. A Carina ajudou as professoras da pré-escola e o João deu apoio ao estudo às crianças da 1ª e 2ª classe. Fez uma revisão dos números até 10 e falou das formas geométricas. Também utilizou o jogo da memória que já tinha feito anteriormente, para estimular o uso da língua portuguesa e aumentar o vocabulário.

Como as duas semanas que se seguem serão as férias escolares das crianças, ficámos de planear as atividades a realizar durante esse período.

Almoçámos uma sopa na “Caritas” e para jantar, decidimos cozinhar.

Dia 336 

A Carina esteve com as crianças da pré-escola e ensinou a canção “Doidas, doidas, doidas andam as galinhas”. Também falou sobre as cores básicas, utilizando vários exemplos que se encontram na sala, como os desenhos que estão na parede, as cadeiras, a roupa das crianças, lápis, carrinhos, …

Juntamente com os alunos do curso de costura e a professora Lurdes, começámos a fazer o calendário em tecido para a pré-escola.

O João deu apoio ao estudo às crianças da 3ª classe. Explicou os símbolos “>”, “<” e “=” e resolveu exercícios. Antes de almoço, foram para o campo com o mano Jaime, fazer uns pequenos jogos com uma bola.

Quando regressámos da escola, fomos ao supermercado para comprar vários produtos para cozinhar e fizemos o jantar no nosso alojamento.

Dia 337

A Carina deu apoio ao estudo às crianças da 4ª e 5ª classe, onde realizou exercícios sobre o sistema solar. Fez com que cada criança dissesse qual a profissão que quer ter no futuro e falaram e escreveram sobre as várias profissões, como agricultor, cantor, polícia e advogado. Também insistiu no facto, que para terem a profissões que elas referiram, têm que estudar e falar muito bem português. Fazendo também referência, ao facto que só se fala changana em Gaza e arredores.

Da parte da tarde, com as poucas crianças que restaram da 7ª classe, realizou-se o jogo da memória com a tabuada do 9. Juntamente com o mano Jaime, o João criou ficheiros de Excel, um para registar e controlar o material escolar dado às crianças apadrinhadas e outro para colocar o material disponível na sala da UPG.

Fomos jantar ao restaurante “Claudio’s” e comemos um belo prego no prato.

Dia 338

Preparámos os cartazes de agradecimento à família Abuleac. Para isso, desenhámos as mãos das crianças da pré-escola em cartolinas coloridas e elas também pintaram desenhos de flores. Utilizámos esses elementos para fazer os cartazes.

Depois de sairmos da escola, fomos ainda a umas lojas de ferragens ver o preço de alguns materiais, para futuros projetos. Para o jantar, fizemos salada de atum na “Caritas”.

Dia 339

Fomos tirar fotos e fazer vídeos com as crianças da pré-escola, para agradecer à família Abuleac. Juntamente com o mano Jaime, terminámos o documento das pesagens das crianças apadrinhadas e enviámos para a sede. Também terminámos o ficheiro das avaliações da pré-escola.

Neste dia, para o jantar decidimos comer na “Caritas”, frango assado acompanhado de arroz e salada.

Dia 340

Neste dia, depois do pequeno-almoço fomos lavar a roupa e para almoçar fomos comer uma sopa à “Caritas”. À tarde, ficámos a trabalhar no website e a pensar nos próximos destinos da nossa viagem. Para o jantar, decidimos ir jantar ao restaurante “Tsakane”, uma bela carne grelhada, acompanhada de chima e salada.

Dia 341

Depois de algumas incertezas por causa do tempo, lá decidimos ir até à praia de Biléne. Para lá chegar foi preciso apanhar dois “chapas”, que demoraram no total, cerca de 2h30. Quando chegámos à praia, o tempo começou a melhorar e fomos presenteados com uma bela tarde de sol. Para regressarmos, o “chapa” até Macia demorou cerca de 1 hora para encher, no total demorámos cerca de 3 horas para chegar a “casa”. Foi um dia diferente e a praia é bastante bonita. Mas as horas todas de “chapa” fazem-nos pensar duas vezes antes de sair de casa. Chegámos ainda a tempo de ir jantar ao restaurante “Claudio’s”.

Dia 342 

Este foi o primeiro dia de férias das crianças e começámos pela escola SVP. Fizemos atividades dinâmicas com as crianças apadrinhadas da UPG: jogo de voleibol, jogo de futebol e jogos tradicionais. Para fazermos os jogos tradicionais, dividimos as crianças em 4 ou 5 equipas e cada equipa com 4 membros. Os jogos consistiram em 4 etapas: corrida de sacas, corrida com uma colher na boca a equilibrar uma maçanica (fruta específica de Moçambique), corrida ao pé-coxinho, acertar com a bola num alvo e responder a uma pergunta de matemática ou geografia. Ao fazer isto, estamos a estimular o sentido de organização, trabalho em equipa e o uso do português. Deixámos claro, que para elas participarem tinham que falar português e respeitar-nos.

No caminho para casa, aproveitámos para comprar umas apas (farinha de trigo frita) e umas chamuças, que tanto gostamos.

Dia 343

Este dia foi passado na escola SLM. Também fizemos atividades dinâmicas com as crianças apadrinhadas da UPG: jogo do “24” com os alunos do secundário, jogo do “mata” e jogos tradicionais. Todas as crianças jogaram o jogo do “mata”, intercalando com o jogo do “24” e os jogos tradicionais.

Passámos a tarde a brincar com as crianças do centro de dia.

Depois de chegarmos de Manjangue, fomos fazer umas compras e fizemos o jantar no nosso alojamento.

Dia 344

Este dia passámo-lo na escola de SVP e apareceram mais crianças do que na 2ª feira, o que é um sinal positivo.

Desenvolvemos as seguintes atividades: jogo do “mata”, jogo de voleibol, jogo do “24” e jogos tradicionais.

Os meninos do secundário tiveram um treino de futebol, por isso decidimos que antes do jogo iriam jogar o jogo do “24”, de modo a praticarem um bocado a matemática e obviamente a capacidade de raciocínio.

Antes do início do jogo do “24”, decidimos falar com eles acerca de como tinham corrido as suas avaliações periódicas e sobre o que gostariam de seguir como profissão. Explicámos que para terem uma vida melhor têm de estudar e que disciplinas como matemática e português são essenciais para o conseguirem.

Durante os jogos tradicionais, as perguntas que fazíamos no fim foram relacionadas com geografia, como por exemplo: quantas províncias tem Moçambique, com que países Moçambique faz fronteira, qual a capital da província, qual a capital de Moçambique, …

Já à noite, fomos jantar um prego no prato, ao restaurante “Claudio’s”.

Dia 345

Este dia foi passado na escola de SLM. Como já tínhamos a coluna de som, decidimos fazer um dia de cinema para as crianças. Elas assistiram pela primeira vez ao filme “Tales of Resilience” e ao “Ratatouille”.

Enquanto eles assistiam aos filmes, nós continuámos a fazer o jogo das sílabas.

Depois de tomarem um pequeno lanche, falámos com elas acerca das sessões de esclarecimento acerca do tema sexualidade. Estas sessões vão ser realizadas mais tarde, para todas as crianças da escola de SLM, com mais de 12 anos. Também criámos uma caixa de cartão, para que as crianças/adolescentes possam colocar as suas dúvidas em anonimato. Quando voltámos da escola de Manjangue, fomos ao centro de Chokwé às compras. Mais tarde, demos os parabéns ao pai do João.


Dia 346

Neste dia, festeja-se o dia da cidade e é feriado. Aproveitámos para ficar a trabalhar um pouco nos projetos para as escolas. Preparámos várias músicas e filmes, pensámos no teatro sobre o lixo e continuámos a pintar os números e palavras que vamos colocar no calendário da pré-escola, em SVP.

Entretanto o mano Nélio, chegou de Maputo e fomos até à festa de Chokwé ?. Demos uma volta pelas barraquinhas, onde a irmã Antónia estava a vender velas e bolinhos. Depois, fomos jantar um frango assado e beber uma cerveja 2M. Por volta das 21h00 começou o concerto, quer dizer, aquilo mais parecia uma publicidade à Vodacom, mas mesmo assim, não deixou de ser giro ver alguns artistas locais. O tempo começou a mudar bastante, por isso decidimos ir descansar.

Dia 347

Durante a noite fez bastante vento e choveu muito. Quando acordámos, também não estava muito melhor. Aproveitámos então para descansar e trabalhar no website. É incrível a mudança de temperatura, no dia anterior estava bastante calor e neste dia, mais parecia um dia de inverno.

Dia 348

Este dia já foi de bastante sol e calor, fomos dar uma voltinha pelo centro e almoçámos um frango assado com bastante batatinha frita ??, no restaurante português “Claudio’s”.

Dia 349

Neste dia, decidimos juntar as crianças apadrinhadas da escola SLM com as crianças do centro de dia. Fizemos teatro sobre o lixo e sobre a introdução dos caixotes de lixo na escola. Este teatro vai ser apresentado na escola, na próxima semana, durante os intervalos grandes. Também fizemos jogos tradicionais, jogámos o jogo do “mata” e ajudámos a preparar o lanche.

Na parte da tarde, quando regressámos a Chokwé, fomos com as irmãs Cardica e Amina buscar os tambores (caixotes de lixo) e comprámos todo o material necessário para pintar os mesmos.

Para jantar, cozinhámos frango com pimentos no nosso alojamento.

Dia 350 

Passámos este dia na escola de SVP. Explicámos à professora Florinda como funciona a coluna de som, como reproduzir as músicas e histórias utilizando a pen drive.

Juntámos quase todas as crianças na sala de apoio e fizemos atividades que estimulassem a sua criatividade e trabalho em equipa. Em grupos de 2/3 crianças, trabalharam com cartolina e fizeram várias formas geométricas e desenhos.

Com os mais velhos, introduzimos o desporto de volley. Com os mais pequenos, também jogámos o jogo do “macaquinho do chinês”. Ajudámos a preparar o lanche e continuámos a trabalhar na evolução do calendário em tecido, com a professora Lurdes.

Depois de termos ido jogar snooker com o mano Nélio, fizemos o jantar na “Caritas” e ele juntou-se a nós.



Dia 351

Passámos este dia na escola SLM e como já tínhamos ido comprar os tambores no dia anterior, aproveitámos para os lavar. O serralheiro já os cortou e colocou as pegas laterais e bases. Fica só a faltar a pintura, que vai ser feita na próxima semana.

Neste dia, decidimos fazer mais uma sessão de cinema. Enquanto preparávamos tudo, as crianças estiveram a jogar um jogo de equipa moçambicano, chamado de “estufa”.

Juntámos as crianças do centro de dia com as crianças apadrinhadas, para assistirem o filme “O gato das botas”.

Enquanto eles viam o filme, nós continuámos a preparação do calendário para o centro de dia. A seguir ao almoço, a Carina e o mano Cristóvão, continuaram a ensaiar o teatro sobre o lixo com as crianças do centro de dia.

A Carina fez mais uma vez o “jogo da memória” (com tabuada e outro com imagens) com as crianças do centro de dia e ao mesmo tempo, mostrou ao mano Cristóvão como fazer.

Falámos com a irmã Amina e agendámos um dia para falar com os professores acerca do lixo, assiduidade e organização do refeitório.

Decidimos ir jantar carne grelhada ao restaurante “Tsakane”.

Dia 352 

Neste dia tínhamos uma nova experiência à nossa espera. Depois de irmos um pouco à escola de SVP, fomos apanhar o “chapa” para ir a Maputo. Tínhamos à nossa espera uma entrevista para a televisão moçambicana, a TvM, mais propriamente para o programa “Juntos à Tarde”. Chegámos a Maputo ainda antes das 16h00. Foi só mesmo tempo de ir a casa da Catarina para tomar um banho e trocar de roupa. De seguida, fomos para o sítio da gravação, que ficava mesmo muito perto. O apresentador chama-se David Bamo e o assistente de gravação, Edílson. Muito simpáticos, a gravação correu muito bem, algo que nunca tínhamos feito, mas que gostámos imenso. Mais uma experiência para juntar às nossas histórias, desta linda viagem. Quando acabámos, voltámos para a casa da Catarina e esperámos por ela para jantar.

Dia 353 

Foi dia de festejar o vigésimo oitavo aniversário da Carina. Sem dúvida um dia importantíssimo e que tinha de ser celebrado. Fomos então tomar o pequeno almoço à famosa pastelaria portuguesa “Nautilus”. Depois, fomos dar uma volta para ver se encontrávamos algumas coisas que precisávamos de comprar e nisto já era hora de almoço e voltámos a casa da Catarina. A seguir ao almoço, cantámos os parabéns à Carina, enquanto a Catarina tocava acordeão!! Depois, fomos dar uma volta até à zona da Fortaleza de Maputo. Pelo caminho passámos pela Catedral, a praça da Independência, o centro cultural Franco moçambicano, a casa de ferro, o jardim Tunduru e o teatro Gil Vicente. Após esta longa caminhada e quando olhámos para as horas, tivemos de voltar para trás, pois tínhamos combinado com o Nélio às 17h30 na casa da Catarina. Quando chegámos a “casa”, foi só mesmo tempo de tomar um banho. Nós, a Catarina e o Nélio, fomos até à Associação dos Músicos de Moçambique assistir a um concerto do trompetista Leman Pinto, que comemorava 40 anos de carreira musical. Muito boa música numa boa companhia, foi assim que celebrámos o aniversário da Carina.

Dia 354

Acordámos já um pouco mais tarde, por volta das 09h00. Decidimos ficar por casa da parte da manhã e acabar algumas coisas da escola. Almoçámos com a Catarina e depois fomos deixar as nossas coisas na casa da senhora Joczabet, onde tínhamos ficado na nossa primeira noite quando chegámos a Maputo e a Moçambique. Fomos mais uma vez, dar uma volta perto da Fortaleza de Maputo, mas desta vez o nosso destino era a antiga estação de comboios. Sem dúvida, um edifício muito bonito. Infelizmente o museu já tinha fechado. Nesta zona fizeram parte do filme “Diamantes de Sangue”. Voltámos para casa, porque por volta das 17h00 a Güler ia-nos buscar para irmos a casa do seu pai na Costa do Sol. A tal família turca que conhecemos quando fomos renovar o visto à fronteira de Ressano Garcia. Fomos muito bem-recebidos em sua casa e deram-nos a provar muitas coisas boas, típicas da Turquia. Bebemos muito chá, falámos muito e o João que nem gosta de milho, ainda comeu uma bela maçaroca de milho, assada no carvão. A Carina ainda ajudou a preparar uns bolinhos com queijo, típicos da Turquia. Conhecemos também dois outros casais com os seus filhos. Gostámos muito deste serão tão diferente e interessante e claro, de voltar a ver os nossos amigos ?

Dia 355 

Depois de acordarmos, fomos tomar o pequeno almoço com o nosso amigo Ácio à pastelaria “Pandora”, que fica mesmo do outro lado da rua. Nada melhor que beber um belo galão enquanto metemos a conversa em dia. Depois, ele teve de se ir embora e nós fomos até à feira de artesanato, flores e gastronomia de Maputo (Feima). Sem dúvida muito giro e com muitas coisas bonita para comprar, ficámos muito impressionados. O Nélio foi lá ter connosco e depois fomos almoçar alguma coisa rápida. Depois de almoço, decidimos ir apanhar o “chapa” para Chokwé. Fomos despedirmo-nos da Joczabet, uma pessoa muito simpática e depois apanhámos o “chapa” até à Junta e daí outro para Chokwé. Chegámos já era 20h00, foi só tempo de ir deixar as nossas coisas ao alojamento e ir jantar ao restaurante “Claudio’s”.

Dia 356

Esta semana foi dedicada à escola SLM. A Carina realizou o calendário das atividades diárias, juntamente com as crianças do centro de dia. Durante esta atividade, reforçou mais uma vez que eles têm que respeitar os mais velhos e fazerem o que lhes é pedido. Explicou à monitora Alzira como usar o dicionário e ensaiou mais uma vez a peça de teatro sobre o lixo, com algumas crianças do centro de dia. O João começou a pintar os caixotes do lixo. Também tivemos uma reunião com os professores da escola, acerca dos seguintes assuntos: assiduidade escolar, lixo na escola e refeitório. À noite, fizemos jantar na cozinha da “Caritas”.

Dia 357

A Carina ensaiou mais uma vez, a peça de teatro sobre o lixo com as crianças do centro de dia. Apresentámos a peça de teatro para toda a escola, uma vez de manhã e outra à tarde. O João acabou de pintar os caixotes de lixo. Também ajudámos a organizar as crianças durante a hora de almoço. Mais uma vez, fizemos o jantar no nosso alojamento.

Dia 358

Neste dia a Carina fez várias sessões de esclarecimento sobre a sexualidade com as adolescentes apadrinhadas.

O João colocou os caixotes do lixo no recinto escolar e verificou quais as salas que não têm caixote do lixo. Juntamente com o Orcídio e o Cristóvão, o João implementou possíveis soluções para melhorar a organização do refeitório escolar. Uma possível solução é as mamãs servirem a comida dentro do refeitório. Outra solução é a colocação de mais mesas, para aumentar o número de alunos que poderão comer no refeitório ao mesmo tempo. À tarde, passámos pelo mercado para comprar alguns legumes e fruta.

Dia 359

A Carina instalou o projetor, para as crianças do centro de dia assistiram a um episódio sobre “Era uma vez o corpo humano – músculos” e ao “Tales of Resilience”. Também ajudou a organizar as crianças na hora de almoço e a organizar a comida/produtos para a cesta básica. O João deu explicações de matemática a uma criança apadrinhada que está no secundário e colocou os caixotes de lixo nas salas de aula que ainda não tinham.

Para jantar, fomos ao restaurante “Tsakane”.

Dia 360

Neste dia tivemos de ir até aos serviços de migração de Xai-Xai, para prolongar o nosso visto. Chegámos ainda cedo, por volta das 09h00. O mano Hélder (técnico da UPG) foi muito simpático e foi-nos buscar à paragem do “chapa”, para nos levar até à escolinha do André, outro projeto onde a UPG também está envolvida. Depois de conhecermos a irmã Bernardete, as crianças e todas as instalações, fomos tratar do visto. Depois de alguma demora (típico), lá tratámos de tudo. Ao contrário do que pensávamos, o visto só estaria pronto ao fim de 5 dias úteis, ou seja, na sexta-feira seguinte. Depois de nos despedimos, o mano Hélder foi-nos levar ao centro de Xai-Xai, ao terminal dos “chapas”. Fomos logo ver se tínhamos “chapa” direto para Chokwé, mas para nosso azar tinha acabado de partir. Bem, lá tivemos de esperar 1h. Enquanto isso aproveitámos para comer alguma coisa. Um belo pão com badjia (massa de farinha de trigo frita, uma espécie de pastel de bacalhau, mas sem bacalhau ?) e umas chamuças de peixe. Chegámos a Chokwé já passava das 17h00 e estávamos muito cansados. Fomos jantar a um dos restaurantes do centro, um franguinho grelhado e beber uma cerveja Manica.

Dia 361

Dia de ir fazer compras ao mercado e de lavar a roupa. Também descansámos um pouco e trabalhámos no nosso site. Decidimos fazer o jantar no nosso alojamento.

Dia 362

Passámos o Domingo no corte e costura ?. Estivemos praticamente o dia todo a cortar e a colar pedaços de cartão, para colocar no calendário em tecido que vai ser fixado na sala das crianças da pré-escola, na escola SVP. Jantámos na “Caritas” e aproveitámos para ver o “grande” jogo Benfica contra o Nacional.

Dia 363

Nesta semana já não estava programado fazermos voluntariado, mas decidimos prolongar mais um pouco o nosso projeto de voluntariado, pois ainda havia vários projetos pendentes. Este dia foi passado na escola SVP. Falámos com a professora Lurdes e continuámos o planeamento do calendário em tecido, que deverá estar pronto na próxima quinta-feira. Cortámos o velcro e a professora começou a colocar no tecido.

Juntamente com a professora Florinda e Amélia, usámos a coluna de som para ouvir algumas canções e introduzir a canção “Eu perdi o dó da minha viola…”. Também falámos com o mano Jaime e o professor Gil para que na quinta-feira se coloque o calendário em tecido, na parede da pré-escola.

À noite, fomos jantar ao restaurante “Claudio’s” e despedimo-nos do proprietário.

Dia 364

A Carina fez novamente várias sessões de esclarecimento sobre o tema sexualidade para todas as crianças da escola, com 13 anos ou mais, do sexo feminino.

Juntamente com os técnicos, estivemos a organizar as crianças no refeitório escolar, seguindo a nova estratégia sugerida pelo João.

Mais uma vez, o João deu explicações de matemática à mesma criança que tinha vindo na semana passada. Decidimos fazer o jantar e comer no nosso alojamento.


Dia 365

O João fez várias sessões de esclarecimento sobre o tema sexualidade para todas as crianças da escola, com 13 anos ou mais, do sexo masculino. Também ajudámos a organizar as crianças durante a hora de almoço.

Tivemos uma grande surpresa, a irmã Antónia organizou um almoço de despedida, pois este seria o nosso último dia de voluntariado na escola SLM. Almoçámos todos juntos, os técnicos, as monitoras, as crianças e a irmã Antónia, no centro dia. Até tivemos direito a um delicioso bolo de banana. Ficámos bastante emocionados com esta despedida, pois criámos laços com várias pessoas, incluindo as crianças. Antes de virmos embora despedimo-nos de toda a gente e ficámos com um grande aperto no coração. Foram momentos muito bem passados por isso, é sempre complicado dizer adeus sem saber se algum dia os voltaremos a ver.

Dia 366

Este foi o nosso último dia de voluntariado e passámo-lo na escola de SVP. Tínhamos uma coisa muito importante para acabar, o calendário para colocar na sala das crianças da pré-escola. Juntamente com a professora Lurdes, terminámos de colocar tudo o que faltava no calendário e depois com o professor Gil, fomos fixá-lo na parede da sala da pré-escola.

A Carina durante a manhã, ainda esteve a apoiar a professora Florinda na pré-escola e abordaram o tema dos “Opostos”, com os livros já existentes na sala. Depois foi hora de nos despedirmos de toda a gente e ir para a Caritas. Para jantar, fomos jantar com o mano Ácio e o mano Orcídioa ao restaurante “Tsakane” para a despedida ☹

2 thoughts on “Voluntariado em Moçambique

  1. Como foi delicioso,rever os locais e as pessoas que conheci há dois anos. Só lamento não ter visto uma foto da irmã Antónia, mas deve estar na mesma , com as pilhas Duracell.
    Bem hajam pelo vosso “trabalho”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *