Valparaíso

Dia 554

Dia da despedida, pois nós íamos continuar a nossa viagem em direção a Valparaíso, Chile e os nossos amigos iam voltar para a Suíça. Depois do pequeno-almoço, nós seguimos em direção ao aeroporto, pois o nosso voo para Santiago, Chile era às 11h40. Durante a nossa ida de Uber para o aeroporto do Rio de Janeiro, aconteceu um episódio muito caricato. Quando estávamos dentro de um túnel, os carros estavam todos parados porque a polícia tinha fechado o túnel. Os policiais estavam a andar pelo túnel, com armas e a mandar todas as pessoas baixarem os vidros dos seus carros. Muito provavelmente isto aconteceu porque estavam à procura de um criminoso. Tirando isto, a viagem para o aeroporto correu bem e o motorista era muito simpático. Também o voo para Santiago correu bem, apesar da viagem demorar quase 4 horas. Quando chegámos ao aeroporto de Santiago, apanhámos um autocarro até à paragem “Pajaritos” (1900 CLP, cada um) e aí apanhámos outro autocarro para Valparaíso (6700 CLP ida e volta), o nosso destino final. A viagem demorou cerca de 1h30 e quando chegámos, fomos logo para o apartamento onde tínhamos alugado um quarto. Aproveitámos o resto do dia para descansar. Fomos comprar empanadas para o jantar e mais alguma comida para o pequeno-almoço.

Dia 555

Para conhecer melhor Valparaíso, optámos por fazer um “free walking tour” com a Tours4tips. Começava às 15h00 e durava cerca de 3 horas. Caminhámos desde o apartamento até à praça Sotomayor. Pelo caminho, passámos pela praça Simón Bolívar e Plaza de la Victoria. Depois, fomos caminhar pela costa até chegarmos ao porto de Valparaíso. Como já estávamos a ficar com alguma fome, fomos comer cachorros quentes, que se encontram por todo o lado na cidade. O ponto de encontro foi na praça Sotomayor. Como estavam muitas pessoas para o tour em inglês, nós optámos por fazer com a guia em espanhol. A primeira coisa que fizemos, foi caminhar até ao ascensor El Peral e subir num dos típicos ascensores de Valparaíso. No total, existem 28 ascensores para os 45 cerros, dos quais apenas 5 funcionam bem. Quando chegámos lá acima, podemos logo ter uma vista muito bonita de Valparaíso. Ao lado deste miradouro existe o Palácio Baburizza, que foi mandado construir em 1916, por um senhor de negócios, Pascual Baburitza. Hoje em dia é o museu municipal de belas artes. Daí, continuámos até à casa de um senhor, que nos ofereceu um delicioso “alfojor”. Continuámos a descer a escadaria, mas por pouco tempo. De seguida, subimos a “Calle 13”. Esta escadaria é muito conhecia, pois tem parte da letra de uma música da banda de Porto Rico, “Calle 13”. Além da linda escadaria, as paredes também estão muito bem decoradas com pinturas. Continuámos a andar pela “Pasaje Galvez”, onde vimos vários alojamentos e pequenos comércios. Seguimos pela “Calle Papudo” que nos levou até ao miradouro “Gervasoni”. Depois, andámos mais um pouco até chegarmos à igreja São Paulo, que foi a primeira igreja Anglicana da América do Sul, mandada construir em 1858 por ingleses. Descemos mais umas escadas e chegámos a um miradouro perto da igreja Luterana de Valparaíso, onde conseguíamos ver o “Cerro Panteon”. Continuámos a descer mais um pouco, até passarmos pela escadaria piano. Mais à frente, passámos pelo “Paseo Atkinson” de onde se tem mais uma bela vista sobre a cidade e as casas são bem coloridas e típicas. Nesse terraço, um senhor tocou uma música típica chilena para nós, foi muito engraçado. Mais uma vez, descemos uma escadaria para nos levar à parte baixa da cidade e daí, fomos até aos escritórios da empresa, perto da “Plaza Sotomayor”. Como ainda era cedo, optámos por ir conhecer mais um pouco desta zona da cidade. Subimos o ascensor “Artillería” que nos levou até ao miradouro “21 de mayo”. Para descer, escolhemos ir pelas escadas e assim apreciar mais algumas casas típicas e coloridas. Decidimos jantar perto do apartamento. Escolhemos um prato bem típico chileno, “chorrillana”. É uma bomba calórica, mas nós gostámos 😋.

Dia 556

Neste dia, fomos visitar outra parte dos cerros que ainda não tínhamos visitado no dia anterior. Desta vez, subimos no ascensor “Reina Victoria”, que nos levou diretamente ao “Paseo Dimalow”. Aqui também podemos ver muitas pinturas nas paredes e casas típicas. Prosseguimos em direção ao “Paseo Templean” e no final da escadaria estava a famosa frase “We are not hippies we are happies”. Depois, caminhámos pelas típicas ruas “Luntaro Rosas” e “San Enrique”, antes de chegarmos à rua Almirante “Montt”, o ponto mais alto da nossa caminhada. Continuámos então pela avenida “Alemania” até chegarmos à “Plaza Bismark” que nos proporcionou uma excelente vista para a cidade. Seguimos caminho pela mesma avenida, passando por mais miradouros até finalmente chegarmos à casa de Pablo Neruda, La Sebatiana. A partir deste ponto foi só descer pela avenida Ricardo de Ferrari. Parámos em frente a um mosaico lindíssimo “Mujer Mosaic” de Gabriela Mistral. Aqui, decidimos mudar de rua e continuar pela rua Héctor Calvo que passa mesmo em frente à igreja “Las Carmelitas”. Mais a baixo, virámos em direção à rua “La Bruyere” que nos leva ao ascensor Espírito Santo. Nós decidimos descer pela escadaria “Pasaje pasteur”, onde mais uma vez podemos ver imensas pinturas. Fomos almoçar a um restaurante buffet, que serve sushi. Depois de almoço e como estávamos bem cheios, tínhamos de fazer uma caminhada para ajudar na digestão. Decidimos caminhar até à praia, onde podemos ver uma colónia de leões marinhos. Apesar de não ser a primeira vez que os vemos, é sempre bonito ver animais no seu habitat natural. Antes de jantar ainda tivemos a descansar um pouco, pois ainda não estávamos 100% recuperados da nossa constipação. Para jantar, fizemos uma coisa rápida em casa e tivemos a conversar com um casal chileno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *