Bogotá

Dia 644

Acordámos bem cedo, com uma magnifica vista sobre o vale e os cavalos a pastarem. Por volta das 06h45, já estávamos na paragem para apanhar o autocarro para Armenia. Tivemos de espera cerca de 15 minutos. A viagem neste dia, foi bem mais rápida do que quando viemos e antes das 08h00, já tínhamos chegado ao terminal rodoviário de Armenia. Quando chegámos, não tivemos de esperar nem 5 minutos, pois ia sair logo um autocarro, pelo qual pagámos 35000 COP cada um. Como estávamos tão cansados, as primeiras 3 horas passámos a dormir. Chegámos a Bogotá por volta das 16h30 e estava a chover bastante. Para chegarmos à casa dos nossos amigos, apanhámos um táxi. Ficámos muito contentes quando vimos a Leidy e o Andrés à nossa espera à porta de casa 😊. Depois de conhecermos a família da Leidy e de pormos a conversa em dia, comemos um prato típico colombiano, “ajiaco com pollo” (sopa com frango) feito pela mãe da Leidy. São uma família muito unida e simpática, nós tínhamos chegado há pouco tempo, mas já nos sentimos em casa. O resto da tarde e da noite, foi passado a conversar, a rir e a jogar às cartas.

Dia 645

Como só íamos ter 2 dias completos em Bogotá, não tínhamos tempo a perder. Optámos por seguir os conselhos da Leidy e do Andrés e fomos visitar o Monte de Monserrate. Tivemos de acordar bem cedo para evitar o congestionamento de pessoas nos autocarros, mas mesmo assim andámos um pouco sardinha em lata 😅. Antes de sairmos de casa, ainda tomámos o pequeno almoço que a Leidy e o Andrés nos prepararam. Começámos a subir o monte e depressa nos apercebemos que não ia ser tão fácil como pensávamos. Depois de uma subida destas, já estávamos com fome outra vez. Mas antes de irmos tomar um segundo pequeno almoço 😂, aproveitámos para tirar algumas fotos. Este segundo pequeno almoço foi bem típico, a Carina e o Andrés comeram “tamal”, o João comeu “almojabana” (pão com queijo) e a Leidy “huevos rancheiros” (ovos mexidos com carne). Enquanto comíamos, começou a chover bastante, por isso tivemos de esperar um bocado. Já com a barriga cheia, descemos o monte e fomos em direção ao centro. Como nós passamos a vida a comer e a beber, quando chegámos ao centro, parámos num bar na rua “Callejon del Embudo” e fomos beber uma bebida que os habitantes de Bogotá adoram, a “chicha”. Daí, continuámos a caminhar até chegarmos à “Plaza Simon Bolivar”, onde entrámos na Catedral Primada de Bogotá. Já com vários quilómetros feitos, estávamos outra vez com fome😅. Decidimos almoçar no restaurante típico “Antioqueño”, que a Andrés conhecia. Para almoço, pedimos duas entradas, “mazamorra” (sopa de milho) e “patacón con ahogado” (plátano) e os pratos principais foram “bandeja paisa” (várias carnes) e “sancocho de gallina”. Desta vez já não conseguíamos caminhar mais, por isso voltámos para casa. Quando chegámos, fomos tomar um bom banho e mais tarde, fomos procurar um sítio que estivesse aberto para jogarmos “tejo” e “rana” (jogos tradicionais colombianos). Não tivemos sorte, por isso fomos comer pizza 🍕. Quando voltámos para casa, voltámos a jogar às cartas.

Dia 646

Sair da cama neste dia, não foi nada fácil. Depois de tomarmos mais um bom pequeno almoço, partimos em direção ao parque “Quebrada la Vieja”. Para nosso azar, o parque estava fechado e não podemos entrar. Decidimos então seguir caminho até à nossa próxima paragem, a povoação de Zipaquirá. Para lá chegarmos, tivemos de apanhar um autocarro desde o terminal “Portal del Norte”. Fizemos esta viagem para irmos visitar a Catedral de Sal. Quando chegámos a Zipaquirá, fomos tomar um segundo pequeno almoço 😁 ao café “Tostao”. De seguida, fomos visitar a Catedral de Sal, que é considerada a primeira maravilha da Colômbia. Esta catedral foi construída nos túneis de uma mina de sal a 200 metros de profundidade. No seu interior, pode-se admirar várias esculturas religiosas de mármore e sal. Foi sem dúvida uma visita muito interessante e algo que nunca tínhamos visto antes. Depois da visita, estávamos com algum fome 😅. A Leidy lembrou-se de um restaurante e lá fomos nós. O seu nome é “Gallina del Político” e almoçámos uma deliciosa “parrillada”. Depois, ainda fomos comer alguns doces típicos da Colômbia. Já não conseguíamos comer mais, estávamos prestes a rebentar 😆. Decidimos então apanhar o autocarro de volta a Bogotá. Depois de quase 2h de viagem, lá chegámos a casa. Passámos o resto do serão a jogar às cartas e a conversar. Tínhamos de aproveitar bem o tempo com os nossos amigos, pois no dia seguinte partiríamos em direção ao Panamá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *