Puerto Carrillo

Dia 655

Depois de acordarmos, o Carlitos e a Beatriz prepararam-nos um pequeno almoço digno da realeza, bem típico da Costa Rica. Como neste dia a Beatriz tinha de ir trabalhar, nós fomos deixá-la em Sámara e depois aproveitámos para dar uma volta pela praia. No caminho, olhámos para o rio Quebrada que desagua na praia Puerto Carrillo e vimos um crocodilo. Em Sámara, fomos comer um gelado artesanal. Depois, voltámos para Puerto Carrillo e fomos conhecer mais duas praias, desta vez bem isoladas e muito bonitas. A primeira tinha uma piscina natural, onde podíamos fazer snorkeling. Como a maré estava a encher, não podemos ficar muito mais tempo. Seguimos então para a outra praia, onde tinha uma cascata. Foi ótimo, pois como o mar estava bastante agitado, podemo-nos refrescar nela😁. Uma coisa que gostámos bastante na Costa Rica, é o facto de não existirem praias privadas. Mais tarde, voltámos para casa e fomos buscar a Beatriz a Sámara. Enquanto esperávamos por ela, fomos beber uma cerveja. Quando ela chegou, fomos jantar uma pizza 🍕. No final do jantar, voltámos para casa e fomos conversar na companhia de umas cervejas fresquinhas.  

Dia 656

Como era sábado, a Beatriz também estava de folga. Depois de nos prepararem mais um delicioso pequeno almoço, fomos passear. Neste dia, fomos um pouco mais para sul em direção à praia Corozalito. Depois de lá chegarmos, eu e a Carina fomos dar um mergulho antes de começarmos os quatro a jogar às cartas. Quando já estávamos cansados de jogar, a Carina e a Beatriz foram passear ao longo da praia, enquanto o João e o Carlitos se armavam em Rambo a tentar tirar cocos dos coqueiros 😅. O resultado final foi muito positivo, pois tínhamos apanhado vários cocos e bebemos muita água de coco. Decidimos então partir até à vila Islita. Uma pequena vila enfeitada de artesanato e morais de azulejo. Aproveitámos para visitar o museu e ver os morais da escola. Parámos na praia Islita e conseguimos ver várias araras vermelhas bem perto de nós, caso para dizer, Pura Vida. Ainda a caminho de Puerto Carrillo, parámos numa praia bem grande, onde o nosso amigo Carlitos gosta de surfar, a praia Camaronal. Gostámos muito desta praia, pois é muito selvagem e o grande rio Ora desagua lá. Como era sábado, decidimos ir ao supermercado comprar comida para fazermos uma bela churrascada. Comida, bebida e boa conversa, foi assim o resto do nosso dia.

Dia 657

Depois de tomarmos o pequeno almoço e de nos despacharmos, fomos passear para uma praia que nem nós nem o Carlitos conhecíamos, apenas a Beatriz. Dizem que esta praia é das mais bonitas da Costa Rica, por isso tínhamos de ir ver. Depois de quase uma hora de carro e de atravessar 3 rios, chegámos à praia de “San Juanillo”. Depois de estacionar o carro perto da praia, instalámo-nos numa zona de sombra no meio da península. Subimos ao miradouro, no final da península. Podemos ter uma vista de 360º sobre as praias e parte da costa. Fomos então dar uns mergulhos refrescantes e fazer snorkeling. Mais tarde e como o tempo estava a mudar, arrumámos tudo e seguimos de volta a Puerto Carrillo. Quando estávamos a chegar à praia de Ostional, decidimos informarmo-nos sobre a desova das tartarugas. Fomos até ao centro de interpretação e qual não foi o nosso espanto, quando nos disseram que as tartarugas tinham começado a desova nessa manhã. Durante esta altura do ano, a desova só acontece durante três a quatro dias por mês e nós sem saber, estávamos ali no dia certo para ver. Estava previsto elas aparecerem por volta das 18h00. Aproveitámos e fomos jantar pizza a uma “soda” (restaurante local). Quando já estava quase na hora, começou a chover imenso e a trovejar. Por segurança, disseram-nos que não era possível irmos até à praia e que iriamos ter oportunidade de presenciar este momento ao amanhecer. Decidimos então voltar, pois ainda tínhamos que passar por 3 rios e o caudal poderia aumentar bastante. Felizmente, chegámos a Puerto Carrillo sem problemas. Ainda caminhámos um pouco na praia de Puerto Carrillo na esperança de encontrar uma tartaruga, mas sem sucesso. Voltámos para casa e mais uma vez, passámos o serão a conversar. Mudámos os nossos planos e decidimos ficar mais um dia para poder ver a desova das tartarugas. Sendo assim, passámos a noite na esperança  que o temporal parasse e que a estrada tivesse em boas condições para voltar à praia Ostional.

Dia 658

Durante a noite houve muita chuva e vento, mas quando acordámos, por volta das 3h30 já tinha parado. Felizmente, depois de 1h a conduzir em caminhos de terra com muitos ramos caídos e algumas árvores tombadas, chegámos a Ostional. Estávamos muito contentes por termos conseguido chegar e por ver que o céu estava bem mais limpo. Depois de pagarmos a entrada de 10 dólares por pessoa, tomámos um belo café quentinho e esperámos pelo nosso guia. Quando chegámos à praia, já com o nosso guia, ficámos muito contentes. Estavam na praia cerca de 100 tartarugas Lora (Olive ridley), entre as que chegavam, as que já tinham desovado e agora as que partiam em direção ao mar. Esta praia é muito conhecida pela desova das tartarugas, na altura do ano em que isto acontece com mais frequência (setembro/outubro) chegaram a estar cerca de 100000 tartarugas na praia. Conseguimos ver todo o processo:
– o momento que elas chegam à praia;
– quando começam a fazer o buraco;
– a desova dos cerca de 80/100 ovos;
– tapar o buraco;
– voltarem para o mar.
Não tínhamos palavras para descrever o que tínhamos visto, foi um momento mágico e estávamos muito agradecidos por termos assistido a mais um espetáculo da natureza.
A praia Ostional é muito grande, o instituto que protege as tartarugas, apenas restringe uma área da praia. Nós fomos caminhar para o outro lado e também podemos ver vários rastos de tartarugas. Apesar de ainda nem ser 7h00, para nós parecia que já era quase 12h00 😅. Voltámos então em direção a Sámara para ir tomar o pequeno almoço, mas pelo caminho decidimos parar em duas praias. A primeira foi a praia “Garza”, que fica mesmo ao lado da estrada “principal”. A segunda, foi a praia Barrigona, que o Carlitos e a Beatriz queriam-nos mostrar no dia anterior, mas não tivemos tempo. Esta praia é selvagem e não tinha ninguém, só nós. Não ficámos muito tempo, porque o mar estava um pouco agitado e já estávamos a ficar com fome. Daqui, fomos diretamente a uma pastelaria em Sámara. Como o Carlitos e a Beatriz ainda não tinham vindo de Nicoya, nós aproveitámos e fomos um pouco até à praia de Puerto Carrillo. Entre o almoço e uns mergulhos na piscina, eles chegaram. Ficámos por ali na conversa a beber um café e a dar uns mergulhos na piscina. Mais tarde, eles voltaram a sair e nós aproveitámos para descansar um pouco. Para jantar, o Carlitos mostrou-nos os seus dotes culinários e fez um delicioso “strogonoff de carne”. No dia seguinte, íamos seguir viagem até ao Parque Nacional Manuel António, por isso aproveitámos ao máximo esta noite para estarmos na companhia dos nossos amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *